quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Correndo pelado - Longevidade Bradesco etapa SP



Quarta-feira, 27 de Janeiro de 2016

No último domingo, dia 24 de janeiro, véspera do aniversário da cidade de São Paulo, aconteceu na região do Museu Paulista, ou Museu do Ipiranga a 14ª e última etapa do Circuito Bradesco Longevidade do ano de 2015, um circuito com grandes nomes do atletismo que correm em busca da ótima premiação. O circuito existe desde 2007, já percorreu 18 cidades brasileiras e pelo sexto ano conta com a participação dos paulistanos na corrida de 6km e na caminhada de 3km.

A prova idealizada pelo Bradesco Seguros tem um preço muito convidativo e premiação com troféus por categoria o que torna uma grande disputa conseguir fazer a inscrição, e essa edição aconteceram problemas com as datas previamente informadas e a data real da abertura das inscrições, causando grande descontentamento nos corredores que esperaram e não conseguiram efetuar as concorridas inscrições que abriram em data anterior a prevista. Esse fato aconteceu duas vezes, sendo que a segunda além de antecipar, só podia ser concluída com smartfone e cartão de crédito.


Sobre a premiação por faixa etária, o regulamento um tanto confuso não explicava se seriam 3(três), 5(cinco) ou ZERO os números de troféus a serem colocados em disputa, questionamos isso na entrega dos kits na sexta-feira antes da prova e ficaram de acertar o regulamento. Uma situação desconfortável para quem conseguiu a disputada inscrição ter que descobrir que a regra foi alterada na véspera.

Mas, a pior alteração foi no percurso, que no site aparecia como uma volta ÚNICA de 6 kms em torno do Museu Paulista e suas longas subidas, mas o que aconteceu na realidade foi que após a a largada encontramos a placa do Km 5, que deu a entender que teríamos que passar novamente por ali. Esse fato foi comprovado quando avistamos uma separação muito mal sinalizada indicando o caminho a ser seguido.

Essa volta extra de pouco mais de 1 km afetou completamente o resultado das categorias, principalmente as femininas, que além de ter homens correndo com números femininos, teve a presença de mulheres que devem ter cansado na longa subida para o km 5 e muito provavelmente completaram a prova sem percorrer todo o percurso de 6 km.

Essas pessoas, provavelmente, melhor acreditar assim, ao se sentirem cansadas com as subidas e decidindo encurtar o sofrimento acabaram afetando o resultado final das categorias e na hora que as atletas que treinam forte, que derreteram nas subidas e completaram os difíceis 6 kms do percurso foram procurar a classificação foram surpreendidas e não encontraram os nomes entre as três primeiras.

A pior parte vem agora, os staffs que estavam com a lista e troféus não ajudaram em nada e nem ouviram os questionamentos. Questões óbvias que se respondidas ou desclassificariam as primeiras colocadas das listas nas categorias ou descobriria novos fenômenos das corridas. Basta olhar o tempo da campeã da categoria F25  que tem um tempo(19'52") melhor até que a queniana Carolyne Chemutai Komen, CAMPEÃ GERAL da PROVA com 20'16", em segundo ficou a atleta da Tanzânia Natalia Elisante Sulle com 20'24". A primeira brasileira foi Juliana G. Dos Santos com 21'00 e foi a terceira colocada geral seguida por Rosângela Raimunda Pereira Faria com 21'05" e Maria Aparecida Ferraz com 21'20".

Não precisaria muita boa vontade para entender que na faixa etária é impossível ser mais rápido que o pelotão de Elite que larga na frente como abre alas para a multidão e tem o tempo bruto como referência.

Nem precisa procurar as fotos das envolvidas, prefiro acreditar que elas nem sabem que atrapalharam toda a classificação, ainda não tive resposta da organizadora sobre o destino dado aos troféus, se foram entregues ou se serão encaminhados pelo correio para as pessoas erradas, visto que nenhuma foi desclassificada. Só sei que as atletas merecedoras deram com a cara na porta, ou melhor, na tenda de entrega dos troféus e foram pessimamente recebidas.

Infelizmente, quando as provas oferecem premiação esquecem do básico que é colocar controle e pessoas que vivam a corrida para responder por isso. Até quando não existe premiação tem os "malandros" que batem recordes mundiais de picaretagem e ainda brigam por algo que não existe, ou aqueles que ficam famosos em rede nacional por fazer o impossível e sempre vai ter quem aplauda esses atos.

Ainda aguardando notícias ou respostas sobre essas alterações do percurso ou sobre o descontrole desses tempos e destino dos troféus.

No masculino, o campeão com 17'09" foi o etíope Dawit Fikadu Admasu seguido pelo queniano Willian Kipor com 17'15" e em terceiro o tanzaniano, Joseph Tiophil Panga com 17'27", a quarta e quinta colocação ficou com os brasileiros  Altobelli Santos da Silva com 17'34" e Gilberto Silvestre Lopes com  18'10''.

Curiosidade: essa prova é classificada como bronze, fato que só permite a participação de um estrangeiro de cada país. 

momento Robert     Foto: Sportclick/Tito Brito

Sobre a prova

Agora vai aparecer a resposta para o título do post, Quem correu pelado? Eu corri pelado, corri sem câmera, foi uma sensação de estar pelado e lembrei que a última vez que isso tinha acontecido, apareceu um cara pelado no meio da prova.

No meio da correria e na pressa de sair na madrugada para chegar na prova, esqueci a câmera TomTom Bandit ao lado do computador e lembrei pouco antes de chegar no Museu. Tive que correr sem registrar o tumulto do percurso e os amigos pelo caminho. Consegui um ritmo muito melhor que o imaginado considerando a quantidade de subidas e cheguei bem próximo as meninas que ficaram sem troféu, meninas que são pódio em diversas provas onde não tem premiação para ELITE, e essas meninas foram prejudicadas conforme explicado acima, ficaram sem o reconhecimento pelo esforço e até o momento não sabemos se os troféus foram entregues para quem não cumpriu o percurso todo, só sabemos que o resultado está totalmente contaminado.

Algo muito comum nas provas aferidas por essa organizadora, visto que na Meia de Sampa em outubro estava tudo confuso e continua até essa data e ninguém respondeu aos questionamentos feitos logo após a prova por Blog e Run.

As grandes atrações do Circuito da Longevidade Bradesco além dos grandes corredores internacionais  e os melhores brasileiros foram os mascotes dos jogos olímpicos Rio 2016 Tom e Vinícius, a réplica da tocha olímpica, o Ginga, mascote do Time Brasil e o ex-jogador de vôlei e super campeão Giba que além de correr a prova foi apresentado como embaixador do Grupo Bradesco Seguros para os jogos 2016.

A renda de R$ 73 mil arrecadada com as inscrições dessa prova será doada para a Casa Espírita Apóstolo Simão Pedro.

Agora vamos aguardar pelo Circuito Longevidade Bradesco 2016 com muitas disputas, premiações e controles bem apurados.


#BlogeRun2016
#Colucci

13 comentários :

Daniela Barcelos disse...

Tomara que eles revejam isso, e sirva de exemplo para as organizadoras. Isso não pode continuar a acontecer. As corridas estão perdendo o brilho, e circuitos tão importantes como este não pode ter este tipo de falha. Muito bom o texto Colucci. E parabéns!

Luiz França disse...

E eu fiquei sem meu tempo computado.
Ai questionar, após quatro diasde espera fui informado hoje, sexta feira, que ficarei sem meu resultado oficial porque meu chip não registrou.

Segundo eles, isso podeter sido causado pela quebra da antena do chip ou colocação errada.

Após 49 provas oficiais, 4 delas na Longevidade, acho que já aprendi a colocar um chip. Rsrsrs

Antonio C R Colucci disse...

Valeu Dani,
Se você estivesse lá, ficaria sem troféu por erro grotesco do sistema. Parece que võ tentar ao menos corrigir a relação. Aguardando.
Beijos
Colucci

Antonio C R Colucci disse...

Que dureza Luiz!!! Essas falhas podem acontecer, mas se você tem como provar o tempo, deveriam corrigir.
Ao menos você recebeu uma "resposta padrão", e as prejudicadas que nem resposta padrão receberam?
Vamos aguardar. Quem sabe um dia funcione direito, com marcações e controles no percurso, a tecnologia já existe, falta vontade
Abraço
Colucci

Silas disse...

Eu tive que pagar 20,00 mesmo tendo direito de pagar 10,00.

Jogos Inter-CCS UENP disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Flávia Akemi disse...

Puxa e realmente essa prova é sempre aguardada...
Bom Até o momento não se pronunciaram, nem sequer no dia. Ainda vários comentários ao responsável pela entrega da premiação : "Como ser possível fazer um tempo menor que a Atleta da Elite?".
E realmente ainda tem gente que se vangloria em fazer "picaretagem".

Flávia

Unknown disse...

Bom quero deixar aqui a minha indignação com o ocorrido nessa prova da Longevidade 2016. Fiz o tempo de 26:47 e larguei no pelotão B atrás da Elite o que me permite saber quem está na minha frente e quem está me ultrapassando já para ter noção de como estou ou se tenho condições de pegar alguma colocação de pódio. Então sendo assim tinha completa certeza que iria pegar alguma colocação na minha categoria, mais quando chegaram as listagens surpresa. Não estava entre as 3 primeiras da minha categoria e fui embora cismada. Então quando saiu os resultados no site da ativo, fui olhando os resultados e os videos das supostas corredoras que chegaram antes de mim na geral que foram 8 eu fui a 9 e encontrei muita coisa interessante como homem correndo com número d mulher e mulheres passando no relógio com o tempo de 30 min, mais com tempo liquido de 23 min e não desmerecendo ninguém mais pelo vídeo uma pessoa que nitidamente não corre tão forte para tau proeza esse foi alguns casos que encontrei apenas na minha categoria que é de F35. Imagina toda a prova o que não deve ter acontecido.

Claysa Kawanami disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Claysa Kawanami disse...

Compartilho a minha surpresa e indignação com a autora do post acima. Apesar de ter corrido bem (pace 4'22") não consegui na faixa etária. Oficialmente consta que fiquei em 36º lugar feminino e 7º na faixa. Fiquei bastante chateada com isso pois na São Silvestre, que tinha cerca de 6700 mulheres inscritas, com um percurso íngreme muito mais longo, consegui o 56º lugar geral e 5º da faixa etária.
Comigo ocorreu o mesmo com a autora do post acima, larguei no pelotão B imediatamente atrás da Elite, junto com mais 2 meninas, sendo que uma delas eu ultrapassei no km 3. Durante toda a prova, prestei muita atenção e não tinha nenhuma mulher próxima de mim fora as que eu mencionei.
Tudo bem que o que conta é o tempo líquido, pode ser que tenha algumas mulheres que correm bem e que largaram atrás...mas tantas assim?Já corri diversas provas na região do Ipiranga (as da Série Delta e a corrida dos Bombeiros), cujos percursos são desafiadores especialmente por causa da subida da Av. Nazaré. Fiquei surpresa quando vi que tinha ficado em 36º lugar geral feminino e 7º na faixa etária.Será que havia tantas corredoras amadoras capazes de fazer aquele percurso em menos de 25 minutos???

Unknown disse...

Aconteceu o mesmo comigo na São Silvestre. Enviei todas as comprovações do meu tempo (Runtastic) foto do Garmin e fotos do percurso, e meu tempo foi computado e divulgado oficialmente. O organizador faz toda diferença!

Claysa Kawanami disse...

Exceto em corridas femininas, mulheres que correm com pace mais rápido que 4'30" normalmente saem nas fotos correndo com muito mais homens do que mulheres ao redor. Não foi o que eu vi. Muito pelo contrário, eram mulheres com tempos " incríveis " fazendo pose pra foto, cabelinho arrumado, acompanhadas de outras que pareciam estar mais trotando que correndo... Não desmerecendo, de forma alguma, as pessoas que trotam, é claro. O importante é que seja caminhando, trotando ou correndo, que se respeite as regras e não atue de má fé.

Luciana Lourenço disse...

Boa noite, quero compartilhar com vocês uma correção que foi feita no meu caso referente a premiação da prova. Depois de tantos meses e graças ao contato do Colucci e da minha companheira de corrida também injustiçada Flávia Akemi Terrada com a organização da prova " Ativo " eu recebi essa semana por correio meu troféu que por falta de organização no dia do evento não pude receber. Então o que quero deixar registrado é que vale a pena reclamar quando você se sente injustiçado e tem convicção que está certo e se tem essa certeza vá até o fim que demorando ou não agora sim me sinto satisfeita e menos decepcionada. Obrigada pela Organização Ativo por reconhecer o erro e corrigi-lo.